quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Ficção científica e ficção especulativa

Coluna -Fora de órbita


Olá, meus queridos leitores! Comemorando a postagem número 70 e a mais de 3 mil visualizações do Letras e Aventura, falarei sobre um gênero que abarca todas as mídias e que aprecio muito, a ficção especulativa!

RAÍZES:

ficção cientifica, Ficção Espacial, Star Trek, Star wars, diselpunk, De volta para o futuro, ficção especulativa  “Nossa, Luiz! Mas nunca ouvi falar disso!” Conhece sim, mas pelo nome antigo de ficção científica! Muitos estão começando a usar o novo termo tendo como argumento abranger a grande explosão de romances de história alternativa. Como seria um mundo onde Napoleão ganhou a guerra? Ou se o Brasil ainda fosse uma monarquia? Ou se caísse uma nave alienígena cuja análise avançaria a ciência? Toda linha futurista da ficção científica não deixa de ser romances de história alternativa projetados para o futuro.

Creio que a lembrança mais antiga que tenho são os dos Cybercops, um seriado japonês de tokusatu onde um grupo especial da polícia usava armaduras robóticas para lutar contra um exército de robôs enlouquecidos. A história ganharia ainda mais elementos do gênero, como viagens no tempo. Nos livros, o primeiro livro que me marcou foi “A 7 faces da ficção espacial”. A coleção “7 faces” era constituída por livros contendo cada volume 7 contos de um único tema. E minha mente, acostumada aos Superamigos, Star Trek, Star Wars e Tokusatsus, se abriu ainda mais mais sobre as possibilidades da ficção especulativa com essa obra.


VIAGENS:

A conquista espacial acabou transformando-se no sinônimo de ficção científica nas últimas décadas, com a dupla cinematográfica Star Wars e Star Trek como o grande ápice e origem da principais imagens que aparecem na mente da maioria quando pensam no assunto. No quadrinhos Flash Gordon, o herói terrestre que viaja pelos vários territórios do Planeta Mongo para destruir o Imperador Ming, foi o grande marco do gênero. A ideia de explorar reinos exóticos cheios de tesouros e com costumes estranhos existe há milênios e esse arquétipo da equipe de exploradores é a base desse gênero, por vezes fundido com o do herói que luta contra o império do mal.
O próprio Superman, pai dos quadrinhos de super-heróis, tem origem alienígena, assim como a grande ameaça que une os heróis de “Os vingadores”. O próprio céu tem fenômenos que já assombravam na antiguidade, como os eclipses e meteoros. A exploração dos mesmos pela ciência moderno amplificou ainda mais a magia dos seus mistérios: buraco negros, anti-matéria, estrelas exóticas e toda tecnologia espacial.
Mas não é apenas de olhar para os céus que se nutre a ficção científica, mas também para a Terra e mesmo dentro do ser-humano. Neste último, o exemplo mais extremo é o clássico "Viagem fantástica", onde um grupo de pesquisadores encolhe e entra no corpo de um homem para curá-lo. Nos quadrinhos o Tio Patinhas realizou sua viagem ao centro das folhas em busca do segredo da fotossíntese. Ou como esquecer as milhares de versões do "Viagem ao Centro da Terra"?
ficção cientifica, Ficção Espacial, Star Trek, Star wars, diselpunk, De volta para o futuro, ficção especulativa Nesta buscas por mundos exóticos, reinos futuristas se escondem no interior da terra em muitos histórias, como frequentemente vivenciou Tarzan nos quadrinhos. Temos ainda os mundos criados pelos computadores. A realidade virtual fornece possibilidades infinita, como já nos mostrou “Matrix” e “O Passageiro do futuro”. Me lembro de um seriado chamado “”Vr5”, onde uma garota herdou uma tecnologia de realidade virtual em que a pessoa que atendia seu telefone era lançada num mundo gerado por computador onde ela podia interroga-lo.
E, se estamos falando de viagens, porque não viajar pelo próprio tempo? Caminhar com os dinossauros ou tentar ficar milionário prevendo o futuro? Acho que o melhor exemplo é a trilogia “De volta para futuro” ( e que teve um desenho animado igualmente bom), mas temos ainda boas opções como o livro de HG. Weels ”A maquina do tempo”, o filme de ação “Time Cop- O Guardião do Tempo”, até um dos melhores jogos de vídeo-game das tartarugas ninjas abordar muito bem essa temática. Incluo aqui a ideia das terras paralelas onde a história tomou outro rumo, como no seriado “Sliders-Dimensões Paralelas”.
Para quem quiser conhecer dimensões alternativas recomendo muito o livro “Diselpunk”, da editora Drako, uma coletânea de ótimas novelas que se passam cada uma em um Brasil alternativo diferente, baseadas no futurismo do início do século 20. Narrativas indo desde um combatente do crime num Brasil Soviético até uma guerra robótica entre Argentina e Brasil.
Gosto de enfocar na questão de viagens porque o próprio processo de leitura e escrita de ficção é mergulhar em mundo criado por nossa imaginação .E agora vamos brincar um pouco com o termo.

DIVERSIDADE: 

           Se usarmos a ideia de ficção especulativa de forma abrangente, toda obra de fantasia seria abarcada. No entanto, não seria a ficção científica um subgênero da linha de fantasia, usando como foco as curiosidades e mistérios das mais diversas áreas do conhecimento? Assim, fica muito mais compreensível a existência de obras como He-man e Os Caça-Fantamas onde o sobrenatural e a tecnologia se misturam de forma maravilhosa.
Se o termo ficção científica se refere as histórias que usam a ciência como foco, será que não poderíamos classificar algumas série cultuadas como desse estilo, mas que ninguém imagina? CSI e seus clones focam no uso da tecnologia para resolver crimes. “House” mostra as curiosidades da ciência médica para resolver casos, “The Mentalist” usa as ciências humanas para prender criminosos.  Graças a esse seriados que atualmente pudemos ter “The Marvel’s Agents of Shield”, uma das principais obras de ação e ficção científica atual.
Talvez o melhor exemplo disso tudo seja a linha de livros de Roobin Cook, especialista em suspense médico, onde todas as suas obras tem um toque de ficção cientifica, indo da clonagem a supercomputadores, com 90% do enredo sendo uma história de mistério no nosso mundo atual cujo segredo está em alguma tecnologia que ultrapassa discretamente nossa ciência cotidiana.
Assim, estamos em um novo período da ficção científica marcada pela renovação de Star Trek e Guerra nas Estrelas, mas talvez ainda mais pelos filmes de heróis da Marvel cujos poderes e ameaças são originários das ciência. Há uma canal apenas sobre o tema ( Syfy)  e entramos numa nova onda de robôs em todas as mídias.
Por fim, sou fã de aventuras fantásticas no geral, porém, a ficção especulativa tem algo que me fascina, que é a capacidade de refletir sobre a interação entre o homem e a tecnologia, mais precisamente, entre o homem e o conhecimento.Vermos como enfrentar nossos pesadelos, dar-nos ideias para construir maravilhas e nos despertar ainda mais o interesse pelas maravilhas do universo.

Obras do Gênero resenhadas pelo blog até o momento:



Fotos: http://www.freepixels.com/Objects/Computers_and_Technology/pic5948.html e http://www.freepixels.com/Abstract_and_Concept/Backgrounds/pic5708.html