quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Ficcção científica brasileira



              Ler "Ficção científica Brasileira - Mitos Culturais no país do futuro" me deixou ao mesmo tempo muito feliz e triste. Triste pela raridade deste tipo de análise no Brasil e feliz  por existir um conteúdo tão incrível capaz de impressionar outros países.
           M. Elizabeth Ginway usa como  base o que considera os 4 elementos principais da ficção científica como base de seu estudo : o robô, o alienígena (incluindo mutantes), a cidade e a nave espacia, analisando como os mesmo são trabalhados ao longo das décadas no nosso país, resumindo a analisando as histórias mais marcantes de cada período. Assim, metade do livro é uma verdadeira coletânea de 3 décadas de histórias nacionais e metade uma análise profunda biopisicosocial dos mesmos.
           Começando nos anos 60, onde os raros clubes de ficção científica tem escasso acesso ao material estrangeiro, a produção brasileira começa a adquirir f orça e os elementos  refletem os arquétipos de relacionamento do masculino e do feminino assim como do senhor e do escravo existentes na nossa cultura tradicional
           Já nos anos 70 os mesmo são utilizados para a formulação de distopias críticas a ditadura brasileira, incluindo uma ficção científica produzia por Chico Buarque chamada"A fazenda modelo"! Usando uma fazenda onde experimentos de procriação são realizados com o gado, incorporando um pouco do tom de "A revolução dos bichos", Chico reflete sobre a sociedade atual e os modelos de administração da época. Aqui temos as primeiras pinceladas de reestruturação dos papéis sociais tradicionais e mesmo a semente da consciência ambiental.
              A partir do anos 80, com o fim da guerra fria, o acesso massivo ao material americano (tanto o Space Opera quanto ao Cyberpunk),  temos o florescimento da produção independente com a revisão tanto dos mitos nacionais 9 como o grandeza natural do país e da democracia racional) quanto dos arquétipos da ficção científica americana. Nem dominadoras nem salvadoras diretas da humanidades, a tecnologia transforma num misto de estranhamento e necessidade contínua de transformação, com certas similaridades ao antigo Movimento Antropofágico e analisando as várias possibilidades de evolução do nosso país.
               Desta forma, surgem os movimentos mais atuais de ficção brasileira, como o das Histórias Alternativas ( mostrando realidades onde a história do Brasil ocorreu de forma distinta) e o Tupinipunk ( onde temos o Brasil Cyberpunk, menos focado na realidade virtual e mais como a informática colides com costumes e misticismos locais).
               Se quiser conhecer mais da ficção científica e alguns sugestões estrangeiras e nacionais, entre aqui.. E esteja a vontade para sugerir as obras que também te marcaram!