segunda-feira, 27 de outubro de 2014

JOGANDO XADREZ COM OS ANJOS

       Quem aqui já assistiu ao filme "A princesinha " na  famosa "Sessão da Tarde" conhece a história da menina quase orfã que é largada pelos pais para viver sob uma tutora rígida que a maltrata, encontrando esperanças no seu mundo interno onde a fantasia e a realidade se mescla de forma tão sutil e encantadora.
Fabiane Ribeiro, Jogando Xadrez com os Anjos, anjos, A Princesinha, Labirinto do Fauno, Matilda, Segunda Guerra Mundial, Inglaterra, literatura brasileira, literatura nacional,
      Já outro filme do gênero, onde a própria família é parte do mal que corrói a garota, temos "Matilda", cuja fantasia interna da criança é realmente capaz de se materializar em nosso mundo.
      Lembrando ambas as produções, entre outras do mesmo estilo, temos o livro  "Jogando Xadrez com os Anjos". Em uma Inglaterra em reconstrução após a Segunda Guerra Mundial,  Anny vive isolada do mundo pelos pais por um motivo misterioso, até ficar aos cuidados de uma tutora cruel que transforma a jovem numa verdadeira escrava dentro de casa. Auxiliando-a no mundo real temos o travesso Pepeu, o poeta com ares de Peter Pan, que secretamente auxilia a menina.
      Já na interface entre a realidade e alma temos o Mundo do Xadrez, criado pela mente da garota para mergulhar em busca da alívio e esperança onde terá contato com seres que são mais reais do que ela poderia imaginar.
        Talvez um dos maiores êxitos do livro seja a reflexão sobre a natureza do sofrimento. Afinal, como lidar quando somos magoados por aqueles que mais amamos? Como lidar quando descobrimos que alguém, aprecia nosso sofrimento? Como lidar com o sofrimento alheio? O contexto da obra, situado numa época onde os órfãos e a insanidade proliferaram devido a guerra, onde pessoas sombrias aproveitam do caos pós conflito  para prosperar como abutres, alimentando-se da tragédia alheia, é o clima perfeito para desenvolver a história.
       O poder da imaginação humana mostra-se, quando aliado ao amor, como a grande chave para combater o mal, seja na forma dos guerreiros de cristal inspirados no tabuleiro de Xadrez que auxiliam nossa heroína, seja na própria jovem capaz de de achar a beleza em cada detalhe que vê, seja no próprio Pepeu, que usa sua criatividade para ajudar os outros ( e cuja história de vida é uma da partes mais belas do livro).
         Desta forma, mesclados numa trama cheia de mistério ( Qual o segredo dos pais de Anny? Por que seus tutores são tão amargos? Qual a verdadeira natureza do Reino do Xadrez  que parecer ser mais que uma criação mental da garota?), esses elementos conduzem a trama deliciosa escrita por Fabiane Ribeiro.
       Se o filme "Labirinto do Fauno" ( cuja protagonista é uma garota que vive num mundo mágico para escapar do horrores da segunda guerra mundial) tivesse uma continuação, com certeza teria que ser escrita pela autora desse livro.